Enisei, atual campeão russo, em ação.

O futuro do rugby europeu de clubes ganhou mais um debate sobre seu futuro. Foi revelado pela imprensa internacional que a EPCR (a entidade organizadora das competições europeias de clubes) quer reduzir mais uma vez a Heineken Champions Cup.

Uma das propostas na mesa da EPCR é que a competição passe a ter 18 times: 6 grupos com 3 equipes cada, sempre 1 de cada liga (Top 14 francês, Premiership inglesa e PRO14), impedindo jogos entre times do mesmo país na fase de grupos. A redução da primeira fase poderia permitir que os jogos de mata-mata fossem em ida e volta.

O impacto dessa redução seria sentido ainda na Challenge Cup, a 2ª copa europeia, que teria que ser repensada.

Outro possibilidade seria a redução da Heineken Champions Cup para 16 times, tornando as disputas pelo mata-mata mais simples: 2 vagas por grupo. Hoje, a competição tem 20 times, divididos em 5 grupos de 4, com os campeões de cada grupo e apenas os 3 melhores segundos colocados avançando às quartas de final.

- Continua depois da publicidade -

 

Continental League: russos lideram criação de nova competição

A EPCR extinguiu em 2019 a sua terceira copa, chamada de Continental Shield. Porém, a União de Rugby da Rússia assumiu a missão de criar uma nova competição para clubes de fora das nações do Six Nations (França, Inglaterra, Gales, Escócia, Irlanda e Itália).

Com apoio de iniciativa privada local (com rumores dando conta da participação da gigante do gás natural Gazprom), a Rússia lançou o projeto da Continental League, uma liga profissional que envolveria inicialmente clubes de Rússia, Romênia e Alemanha (e, talvez, Bélgica, a confirmar). A Geórgia foi cogitada, mas no momento os georgianos optaram por priorizar participação na Currie Cup sul-africana. 

A Continental League deverá ser jogada em caráter experimental em 2020, consistindo de apenas um mata-mata entre abril e setembro envolvendo 4 times russos, 2 romenos e 2 alemães (a confirmar). Não está claro se o campeão da competição ganharia vaga na Challenge Cup europeia, como acontecia com o Continental Shield. A proposta para 2021 é a competição ganhar formato de liga de franquias propriamente.