Flávio Santos: jogador desde 1983, atletas das seleções brasileiras de 1990 a 1999, treinador da seleção masculina de 2000 a 2003 e da feminina de 2004 a 2010, tendo classificado a equipe à Copa do Mundo de Sevens de 2009. Além disso, educador e coach nível 3 do World Rugby. Experiência e conhecimento de rugby que serão compartilhados com o leitor do Portal do Rugby. Flávio enriquece nossa coluna Escola de Rugbier a partir de hoje, trazendo conteúdos de suma importância para clubes, treinadores e atletas que querem seguir ajudando a desenvolver o rugby nacional.

No primeiro artigo, Flávio traz conceitos essenciais sobre coaching. Aproveitem!

 

O que é coaching?

É a tarefa que os treinadores, professores, jogadores e aqueles que de alguma maneira colaboram com o rugby tem para se organizar, formar, preparar e desenvolver os mesmos.

Coaching é sinônimo de fazer rugby, de ensiná-lo, explicá-lo, de organizá-lo e de ajudar na correta formação e preparação dos rugbiers.

Ray Williams disse (Rugby Actual – 1996): “Na primeira sessão de todo curso para treinadores trato de explicar onde se encaixa o coaching dentro do rugby-football. Faço duas afirmações para ilustrar meu argumento. O coaching e o jogo são idênticos e o coaching é somente uma parte do jogo. Estes pontos refletem opiniões totalmente opostas daqueles que vêem o coaching isoladamente do jogo, estes são aqueles que crêem que no coaching estão as respostas de todos seus problemas encontrados no jogo.

Depois de minha designação pela União de Rugby de Gales eu estava dedicado a promover conceitos sobre o jogo e como o coaching poderia ajudá-los a alcançar tais conceitos. Freqüentemente os clubes me convidam para dar palestras sobre coaching, minha resposta sempre era igual: “NÃO”, irei e falarei sobre rugby-football. Dessa maneira tratava de fazê-los entender que o coaching é somente um meio para conseguir seu objetivo, que é alcançar uma melhor qualidade do jogo de rugby. Isto não quer dizer que todo jogador possa ser internacional, mas todo jogador pode melhorar e conseqüentemente toda equipe. A melhora traz satisfação e não se pode pensar em melhor razão para querer jogar rugby.

O coaching tem um papel dentro da estrutura como um todo, porém o coaching deve ter sua própria estrutura, para assim ser uma parte definida, contribuindo para o crescimento do processo contínuo. Deve ser uma estrutura definida dentro da associação, da região, dos clubes, universidades, etc…. A organização de coaching deve ser vista como parte de um processo democrático.

O que é coaching organizado?

O conhecimento e o ensino devem ser efetivos e graduais, responder a um programa e devem ser organizados.

A informação e o conhecimento quando não marcados em um programa, passam a não ser aproveitados devidamente. Isto ocorre em qualquer matéria e supostamente no nosso jogo também.

O coaching aponta para um ensino gradual e organizado do jogo,  em outras palavras fazer rugby organizadamente.

 

Quem são os organizadores de coaching?

São as pessoas encarregadas de levar adiante um programa de ensino do jogo. Sua tarefa é essencialmente organizadora, de forma que possa passar adiante toda a informação e conhecimento dos elementos necessários para avançar dentro do jogo de forma integral. Além de ter características docentes deve construir os caminhos para apoiar os treinadores, árbitros, jogadores e administradores.

 

Para quem está direcionada a tarefa dos organizadores de coaching?

Em primeiro lugar aos treinadores, professores e encarregados, a fim de capacitá-los, apoiá-los na sua tarefa oferecendo elementos para estes cumprirem sua missão de forma eficiente, de tal modo que seu esforço e dedicação sejam aproveitados devidamente.

Também ajuda na capacitação dos árbitros e administradores, oferecendo conhecimento e elementos necessários para que possam tomar e instrumentar as decisões corretamente.

Em poucas palavras, seu objetivo é capacitar todos aqueles que de alguma forma estão ligados ao jogo. O que deve ficar claro é que o(s) organizador(es) de coaching não precisa necessariamente treinar uma equipe preparando-a de forma específica, senão sua tarefa está voltada a todos aqueles que de alguma forma colaboram com as equipes, universidades, colégios e jogadores de rugby no geral.

Por que é necessário chegar a um ensino organizado?

Muitas vezes ocorre:

·        Que um grupo de jogadores não se diverte e desfruta do jogo, apesar de por tudo da sua parte.

·        Que jogadores e pessoas relacionadas com o jogo não atuam respeitando seu espírito e suas tradições.

·      Que jovens que se aproximam do jogo não superam suas expectativas e o abandonam optando por outros esportes.

·        Que existem árbitros que não compreendem claramente sua missão, as regras e sua aplicação, sempre tendo em conta seu apoio para o jogo podendo assim brindar um bom espetáculo.

·      Que treinadores e aqueles que colaboram com os jogadores carecem de conhecimentos necessários para ajudar os jogadores corretamente, de acordo com a sua idade.

·        Que os administradores não compreendem o problema, a fim de solucionar os problemas que o jogo apresenta dentro e fora de campo..

·        ‘‘QUE A DEDICAÇÃO E O ESFORÇO DAS PESSOAS ENVOLVIDAS COM O JOGO SE PERDE POR FALTA DE ORIENTAÇÃO.’’

 

Se isso acontece, algo tem que ser feito…

Todas as pessoas (jogadores, treinadores, árbitros, administradores, etc…) estão brindando ao rugby parte preciosa do seu tempo, tratando de se divertir e durante a sua diversão estão efetivamente dando um apoio voluntário ao jogo, mas a falta de enfoque correto ou de conhecimento e preparação faz com que seu esforço não seja aproveitado. Sem dúvida essas pessoas são credoras de todo apoio, informação e capacitação que nosso rugby esteja em condições de lhe proporcionar.

Não sobra dúvida que organização e capacitação são pontos chaves para capitalizar o trabalho que muita gente oferece, muitas vezes além de sua possibilidades em nosso país.

Hoje vivemos a era por quês. Da análise racional do que se faz, do que se pede, do que se quer levar adiante.

“ O valor de uma união, associação, um clube está intimamente ligado a proximidade que se tem do jogo de forma que os conhecimentos organizados possam ser transmitidos com a mesma capacidade para todos”.

 

Na semana que vem, a continuação deste artigo! Aguardem.

Comentários