Ontem relembramos os meses de janeiro e fevereiro no rugby nacional e internacional e agora é agora de relembrar março e abril!

 

Tupis flecham o Canadá!

Março abriu com a rodada final do Americas Rugby Championship. O Pacaembu estava fervendo para os Tupis receberem o Canadá e o Brasil fez história pela primeira vez derrotando a seleção canadenses, que viveu um ano para se esquecer. Jogo emocionante até o fim com Zé marcando o try da vitória no finzinho, 24 x 23, que deram aos Tupis o quarto lugar geral na classificação.

- Continua depois da publicidade -

O torneio acabou de forma fantástica com os Estados Unidos conquistando o título em um empate de 27 x 27 contra a Argentina XV na Argentina. O título foi dos EUA por causa de um ponto bônus obtido na partida. Incrível.


Jacarés abocanham o Brasil pela primeira vez

No rugby nacional, março foi de largada para os estaduais de rugby XV, mas o mês também foi de decisão nacional de sevens, com Niterói recebendo o Super Sevens Masculino. O torneio condecorou o clube que mais cresceu nos últimos anos, o Jacareí, que conquistou seu primeiro título brasileiro de elite ao fazer 12 x 05 numa final emocionante contra o Desterro.

Yaras em tour

A Seleção Brasileira Feminina também entrou em campo nesse período, encarando os torneios de Las Vegas e do Japão da Série Mundial de Sevens. Nos EUA, as Yaras não resistiram e ficaram com o 11º lugar, vencendo apenas a Argentina – 41 x 00!

Já no torneio japonês, em abril, foram duas vitórias para o Brasil, mas que não foram o bastante para livrar as Yaras novamente do 11º lugar – que acabaria sendo fatal ao final do circuito. Na primeira fase, o Brasil bateu a Irlanda, 27 x 10, mas acabou como o pior 3º colocado e foi para as disputas do 9º lugar, caindo em reencontro com as irlandesas. Sobrou a disputa do 11º lugar e ele acabou com vitória sobre o Japão, 12 x 10.

Inglaterra campeã e recordista, Irlanda gigante

Se nas Américas o “bicho pegou” na rodada final de março, na Europa o Six Nations entrou em ebulição com os jogos decisivos. A Inglaterra, do técnico Eddie Jones, subiu no panteão ao vencer a arquirrival Escócia em um jogaço de 61 x 21 para conquistar mais uma vez o título do Six Nations com uma rodada de antecedência e, de quebra, igualar o recorde mundial de 18 vitórias consecutivas que era da Nova Zelândia.

Porém, ainda tinha mais emoção. Na rodada final, a Inglaterra precisava vencer a Irlanda para conquistar o Grand Slam e se tornar a recordista mundial de vitórias de forma isolada. Faltava só avisar a Irlanda, que fez o que mais nada e frustrou seus vizinhos com um 13 x 09 tenso.