Fechamos hoje nossa série da Retrospectiva 2017 com o que de melhor rolou em novembro e dezembro deste ano que está acabando!

 

Tupis vencem pela primeira na Europa

A Seleção Brasileira Masculina esteve em campo em novembro em sua segunda viagem à Europa na história. Depois de um início ruim de derrota para a Alemanha, 45 x 12, os Tupis conseguiram um feito inédito e pela primeira vez venceram fora de casa uma seleção europeia: 23 x 19 de virada contra a Bélgica. O resultado rendeu aos Tupis pontos no Ranking que levaram o Brasil ao 28º lugar, a melhor colocação brasileira desde 2011. A gira, no entanto, foi encerrada com derrota pesada diante da Espanha, 67 x 28, mas com direito a pintura de try para os Tupis no fim do duelo.

Yaras no Mundial pela 3ª vez!

- Continua depois da publicidade -

O mês de novembro foi ainda de novo Sul-Americano Feminino de Sevens, com o torneio de 2018 sendo antecipado para 2017 e valendo a vaga do continente na Copa do Mundo de Sevens de 2018. O Brasil fez sua parte e confirmou o favoritismo erguendo a taça com uma vitória de 22 x 12 na final sobre a Argentina. Jogo mais duro que o esperado, mas com as Yaras prevalecendo. O Brasil irá a São Francisco para a disputa da Copa do Mundo de Sevens pela terceira vez na história!

Niterói volta ao topo do país!

Novembro e dezembro foram ainda decisivos para o rugby feminino, com as etapas derradeiras do Super Sevens rolando em São José dos Campos e Curitiba. O São José parecia virtualmente campeão nacional pela distância que havia aberto sobre seus concorrentes, mas o Niterói teve uma reta final fabulosa e puniu os deslizes joseenses. Dois títulos seguidos para o Nikity e título brasileiro para o tradicional clube pela primeira vez desde 2009!

São Paulo domina o juvenil

Em dezembro, o tradicional SPAC Lions Sevens contou com as disputas da Copa Cultura Inglesa, que foi reduzida para 2017 com apenas a realização dos torneios M19 masculino e M18 feminino, fechando um ano de baixa do rugby juvenil, que temos menos torneios e menos participantes em todo o país.

Em campo, São Paulo levou a melhor, com as seleções do Vale do Paraíba sendo campeãs nas duas categorias.

Barrett e Portia, o melhor do mundo é kiwi

No mundo, o fim de ano foi de eleição para os melhores de 2017, com o World Rugby Awards ganhando o destaque no fim de novembro. A Nova Zelândia ganhou os prêmios mais prestigiados, com Beauden Barrett sendo eleito o melhor jogador do planeta pelo segundo ano seguido e Portia Woodman sendo eleita a melhor jogadora – pela primeira vez no XV, mas já tendo ganho antes o prêmio para o sevens, sendo a primeira do mundo a ter as duas honras. A Nova Zelândia ainda venceu o prêmio do melhor time do ano, dado as Black Ferrns, a seleção neozelandesa feminina, campeã mundial.

O australiano Eddie Jones, da seleção inglesa, foi o melhor treinador.

França receberá a Copa do Mundo de 2023!

O suspense também foi quebrado com a eleição da sede da Copa do Mundo de 2023. Tudo indicava que a África do Sul seria eleita, após ser indicada oficialmente pela Rugby World Cup Limited. Porém, a decisão final era do Conselho do World Rugby e quem foi eleita a sede foi a França.

Aliás, por falar em França, ela protagonizou de novo a zebra do ano, cedendo um embaraçoso empate em casa em novembro para o Japão, no jogo que acabou roubando a cena no fim de ano. Mon dieu!


 

Beach Rugby de novo no Rio

O ano se encerrou ainda com muito Beach Rugby no Rio de Janeiro como sempre, com o Brasil se sagrando campeão feminino contra Argentina e Uruguai.