Niterói perde para Pasteur mas deixa a última colocação do Super 8

Em um jogo apertado, o Pasteur veio ao Rio para experimentar a sensação de pisar no melhor campo de rugby do Brasil, o novo campo da UFRJ, no Rio de Janeiro (sede de treinamentos dos Jogos Olímpicos) e saiu com um sorriso de orelha a orelha ao derrotar o Niterói por 17 a 12, ganhando uma folga na luta contra a lanterna. O Niterói, no entanto, também comemorou o bônus defensivo, deixando o último lugar da competição nas mãos do SPAC, ficando na frente dos paulistas pelo critério do confronto direto.

 
Veja as fotos da partida, poe Luís Cláudio Amaral

O duelo começou bem parelho, com os visitantes abrindo o placar aos 10 minutos com Gu, em uma boa trama pela ponta, com distribuição de jogo de CB. Di Pilla converteu. Na jogada seguinte veio a resposta do Niterói com Marcos Freitas, o menino de ouro, após furar a linha de defesa e marcar na ponta, desperdiçado por Erick. O jogo concentrou-se mais no campo de defesa do PAC, porém o Niterói não conseguiu capitalizar. Foi quanto Tuth, após uma boa linha de ataque com mais de dez fases, escapou e anotou seu try em um ângulo favorável para Di Pilla converter. Contudo, o chutador paulista não esteve bem e não foi feliz no arremate. Números finais no primeiro tempo: Niterói 5-12 Pasteur Athletique.

 

O segundo tempo foi um jogo totalmente diferente, com um cartão amarelo para cada lado e muita confusão na zona de ataque do time da casa, que martelava e martelava, mas continuava sem pontuar. O nervosismo das duas equipes era aparente, devido às situações na tabela e a vontade de pontuar a qualquer custo. Quem primeiro rompeu a defesa oponente foi Thomaz, para o Pasteur, marcando os primeiros pontos da segunda etapa a partir de um pick and go que o Niterói não defendeu. Novamente desperdiçada a conversão por Di Pilla.

 

A tensão crescia, com o Niterói tentando jogar de mãos, mas sem sucesso. Parecia não existir outra alternativa de pontuar além do try, de olho na virada imediata no placar. Foi quanto Stefano, em uma jogada aberta e uma boa trama no handling niteroiense, conseguiu marcar o try na ponta. Erick, mesmo em posição complicada, converteu com sucesso, deixando o Niterói a um try convertido da vitória.

 

Após alguns erros de ataque do Niterói e uma defesa sólida do Pasteur, que flutuava e não deixava os rubronegros respirarem, os donos da casa se vieram sem tempo para a virada. Fim de papo, Pasteur 17 x 12 Niterói. Na próxima rodada, o Niterói visitará o Desterro, ao passo que o Pasteur receberá o Farrapos.

 

Placar final: Niterói 12 (5) x 17 (12) Pasteur

 

Niterói

Tries: Marcos Freitas e Stefano

Conversões: Erick (1)

 

Pasteur

Tries: Gu, Tuth e Thomaz

Conversões: Di Pilla (1)

 

Árbitro: Henrique Platais / Assistentes: Marcel Santos e Larissa Ferreira / 4º Árbitro: Ramon Diego

Local: UFRJ – Rio de Janeiro, RJ

 

ClubeCidade (UF)PJVED4+-7PPPCSP
DesterroFlorianópolis (SC)62141301100437198239
CuritibaCuritiba (PR)4914100472374246128
São JoséSão José dos Campos (SP)4814100471412288124
FarraposBento Gonçalves (RS)33146084532928742
PasteurSão Paulo (SP)291450927210227-17
SPACSão Paulo (SP)231450921230437-207
NiteróiNiterói (RJ)2214401033279451-172
Band SaracensSão Paulo (SP)2114301136300437-137

Vitória = 4 pontos;
Empate = 2 pontos;
Derrota = 0 pontos;
Fazer 4 ou mais tries = 1 pontos extra;
Derrota por 7 ou menos pontos de diferença = 1 ponto extra;

– Dois primeiros colocados = classificação à final

 

Texto: Vinícius Guedes

Foto: Pop Try Photography

Comentários