Six Nations na cabeça! Amanhã tem decisão!

O Americas Rugby Championship acabou e agora é hora de olhar com atenção para a reta final do Six Nations! Nesse fim de semana voltam as emoções da máxima competição europeia, que chega à sua penúltima rodada. E logo no sábado tem um jogão que pode decidir o título de 2016: o superclássico britânico entre as duas seleções invictas até aqui, a líder Inglaterra e o vice líder Gales.

 

Em 3 rodadas até aqui, a Inglaterra somou 3 vitórias e é a única seleção que segue na briga por tudo: título, Grand Slam (que os ingleses não alcançam há 13 anos) e Tríplice Coroa. Já Gales teve 2 vitórias e 1 empate, o que significa que não pode mais faturar o Grand Slam e a Tríplice Coroa e precisa de qualquer jeito de uma vitória sobre os ingleses para poder ser campeão. O jogo decisivo acontece em Twickenham, Londres, onde Gales venceu o último embate entre os dois times, durante a Copa do Mundo, em partida que eliminou a Inglaterra e está entalada na garganta dos ingleses, aumentando ainda mais a expectativa sobre a partida.

 

Os dois times não mudaram depois de suas vitórias na rodada passada, mas terão positivas e muito aguardadas novidades no banco, com Manu Tuilagi sendo opção para a Rosa e Rhys Webb para os Dragões. O time de Eddie Jones mostrou grande evolução desde o desastre da Copa do Mundo, melhorando nas formações e no jogo de contato, o que é essencial para enfrentar Gales e seu “Warrenball” físico, como o esquema do técnico neozelandês de Gales é conhecido. O jovem Maro Itoje na segunda linha e a forma exuberante de Billy Vunipola são armas importantes para o duro embate com Alun Wyn Jones, Sam Warburton, Toby Faletau & cia. Na primeira linha, a batalha pode favorecer os ingleses, com Joe Marler exercendo muita pressão sobre Samson Lee, ainda não 100% fisicamente.

 

Entretanto, os ingleses são o time mais indisciplinado do Six Nations 2016 o que poderá custar muito caro diante de um pack talentoso como o galês, capaz de arrancar muitos penais, e de um chutador confiável como Dan “Macarena” Biggar. A presença de Gareth Davies conduzindo as ações e a opção de Rhys Webb dão esperanças ao torcedor galês de que os vermelhos poderão jogar um jogo aberto e vistoso como reza a tradição do país e como permite a qualidade de seus jogadores de linha, mas que não vem sendo o foco do trabalho de Gatland.

 

Quem, por outro lado, tem condições de abrir o jogo com qualidade é a Inglaterra, dona talvez da melhor linha da Europa e que aposta mais uma vez em George Ford de 10 com Owen Farrell de 12. Atenção a cada duelo do jogo, pois o equilíbrio é grande e a capacidade de Gales em colocar qualidade na linha e a da Inglaterra em levar vantagem no breakdown e nas formações serão determinantes para o lado que sair de pé da batalha.

 

Luta contra a colher de pau

O sábado será aberto pela partida entre os dois times que ainda não venceram no certame: Irlanda, campeã da ano passado, que passa pelo momento mais baixo dos últimos anos, e a Itália, lanterna do torneio. O jogo é em Dublin e a vantagem é toda irlandesa, pois é inegável que a forma dos verdes, ainda que longe do ideal, seja muito superior à italiana. O time de Joe Schmidt tem o mando de jogo e passa por um período de transição que tem justamente na partida contra a Itália um momento importante para que o trabalho volte a render. A volta de Payne ao Trevo e a forma de Conor Murray serão importantes para que a linha irlandesa deslanche, enquanto o pack terá o desafio de neutralizar Parisse e se impor nas formações.

 

A Itália não terá Ghiraldini, que certamente fará falta no scrum, e vive ainda sem um rumo claro. Sem Canna, os Azzurri perderam a qualidade criativa e Haimona claramente não tem condições de vestir a 10 azul. Com isso, o técnico Brunel apostou em um nova dupla de abertura e scrum-half, Edoardo Padovani e Guglielmo Palazanni, sob os quais estarão as atenções. Ainda assim, a vantagem é toda do time da casa.

 

Um fio de esperança

Além de Inglaterra e Gales, a única seleção que ainda pode ser campeã é a França, que precisa torcer pela vitória de Gales no sábado e derrotar a Escócia no domingo para ir à rodada final precisando vencer a Inglaterra e torcendo por um tropeço galês contra a Itália. Em caso de empate entre ingleses e galeses, a França ganha ainda mais chances, pois iria à quinta rodada empatada em pontos com Gales, podendo decidir o título no saldo.

 

Para encarar a Escócia fora de casa, a França terá ninguém menos que François Trinh-Duc de volta à camisa 10, em uma aposta de Guy Novès que claramente percebeu que o trabalho para achar uma dupla ideal de 9 e 10 é muito árdua nos Bleus. O treinador efetuou nada menos que 6 mudanças no XV francês, sabendo que vencer a Escócia fora de casa – ainda mais depois dos escoceses encontrarem seu rumo quebrando a série de insucessos – é crucial para a sequência do trabalho, pois o adversário é competente e o triunfo traria a confiança necessária para os franceses. Scott Spedding, com a 15 no lugar de Médard, Gael Fickou no centro, no posto de Danty, e Wesley Fofana, na ponta, são as outras apostas, com Vakatawa, do sevens, seguindo no time principal. Na terceira linha, a perda por lesão de Burban será sentida e Yacouba Camara terá a missão de manter a força no breakdown tricolor, enquanto o veterano segunda linha Yoann Maestri recuperou a vaga que fora de Jedrasiak. Mais físico e experiência foi a opção de Novès para encarar a Escócia de Vern Cotter, que tem mais força quando abre o jogo do que quando aposta no jogo fechado.

 

Vern Cotter, por sua vez, fez duas mudanças no time do Cardo que venceu a Itália, com as entradas do asa Josh Strauss e do centro Alex Dunbar. A grande arma dos escoceses, além do mando de jogo, está na dupla de 9 e 10, muito superior à francesa, com Greig Laidlaw e Finn Russell entrosados e capazes de fazerem os celtas voarem. A Escócia, no entanto, preocupou até aqui pela quantidade de penais que costuma ceder e pela dificuldade em ter vantagem territorial, o que é perigoso demais contra a França. A atitude da equipe no domingo está sob os olhares de todos.

 

Europeu de Nações também perto de definições

No segundo escalão europeu, a decisão também está próxima e o jogo mais importante desse sábado opõe Geórgia e Rússia, em Sochi, na Rússia, próxima à fronteira com a Geórgia, pela também penúltima rodada da 1ª Divisão A do Europeu de Nações, o Six Nations B. Os Lelos vão ao país vizinho encarar os arquirrivais Ursos, em duelo que sempre está envolto das tensões políticas entre os dois lados. Os russos não vencem os georgianos desde 1993 e uma vitória da Geórgia será um passo crucial rumo ao título, mas não final, pois a Romênia receberá a Alemanha e terá tudo para vencer e seguir na briga. Enquanto isso, em Madri, tem clássico ibérico entre Espanha e Portugal, crucial para os Lobos, que precisam bater os Leões para seguirem na luta contra o rebaixamento.

 

Já na 1ª Divisão B, o chamado Six Nations C, o sábado também é decisivo, com Moldávia e Bélgica se encarando em partida crucial na luta pela promoção.

 

*Horários de Brasília

Sábado, dias 12 de março

moldavia rugbyversus(14)belgica logo

08h00 – Moldávia x Bélgica, em Chisinau – Europeu de Nações – 2ª divisão

Árbitro: Elia Rizzo (Itália)

 

russia copy copy copy copy copyversus(14)georgia copy copy copy copy

09h00 – Rússia x Geórgia, em Sochi – Europeu de NaçõesRugbyEurope.tv AO VIVO

Árbitro: Matthew Carley (Inglaterra)

 

romênia copyversus(14)alemanha logo aguia

09h00 – Romênia x Alemanha, em Iasi – Europeu de NaçõesRugbyEurope.tv AO VIVO

Árbitro: Claudio Blessano (Itália)

 

irlanda copyversus(14)italia copy copy

10h30 – Irlanda x Itália, em Dublin – Six NationsESPN+ AO VIVO

Árbitro: Angus Gardner (Austrália)

 

Irlanda: 15 Simon Zebo, 14 Andrew Trimble, 13 Jared Payne, 12 Robbie Henshaw, 11 Keith Earls, 10 Jonathan Sexton, 9 Conor Murray,  8 Jamie Heaslip, 7 Josh van der Flier, 6 CJ Stander, 5 Devin Toner, 4 Donnacha Ryan, 3 Mike Ross, 2 Rory Best (c), 1 Jack McGrath.

Suplentes: 16 Sean Cronin, 17 Cian Healy, 18 Nathan White, 19 Ultan Dillane, 20 Rhys Ruddock, 21 Kieran Marmion,  22 Ian Madigan, 23 Fergus McFadden.

 

Itália: 15 David Odiete, 14 Leonardo Sarto, 13 Michele Campagnaro, 12 Gonzalo Garcia, 11 Mattia Bellini, 10 Edoardo Padovani, 9 Guglielmo Palazanni, 8 Sergio Parisse, 7 Alessandro Zanni, 6 Francesco Minto, 5 Marco Fuser, 4 George Biagi, 3 Lorenzo Cittadini, 2 Davide Giazzon, 1 Andrea Lovotti.

Suplentes: 16 Oliviero Fabiani, 17 Matteo Zanusso, 18 Dario Chistolini, 19 Quintin Geldenhuys, 20 Abraham Steyn, 21 Alberto Lucchese, 22 Kelly Haimona, 23 Luke McLean.

 

Histórico: 25 jogos, 21 vitórias da Irlanda e 4 vitórias da Itália. Último jogo: Irlanda 16 x 9 Itália, em 2015 (Copa do Mundo)

 

espanha(2)versus(14)rugby_portugal_339611277(1)

12h00 – Espanha x Portugal, em Madri – Europeu de NaçõesRugbyEurope.tv AO VIVO

Árbitro: Sean Gallagher (Irlanda)

 

rfuversus(14)gales

13h00 – Inglaterra x Gales, em Londres – Six NationsESPN+ AO VIVO

Árbitro: Craig Joubert (África do Sul)

 

Inglaterra: 15 Mike Brown, 14 Jack Nowell, 13 Jonathan Joseph, 12 Owen Farrell, 11 Anthony Watson, 10 George Ford, 9 Ben Youngs, 8 Billy Vunipola, 7 James Haskell, 6 Chris Robshaw, 5 George Kruis, 4 Maro Itoje, 3 Dan Cole, 2 Dylan Hartley (c), 1 Joe Marler.

Suplentes: 16 Luke Cowan-Dickie, 17 Mako Vunipola, 18 Kieran Brookes, 19 Joe Launchbury, 20 Jack Clifford, 21 Danny Care, 22 Manu Tuilagi, 23 Elliot Daly.

 

Gales: 15 Liam Williams, 14 Alex Cuthbert, 13 Jonathan Davies, 12 Jamie Roberts, 11 George North, 10 Dan Biggar, 9 Gareth Davies, 8 Taulupe Faletau, 7 Sam Warburton (c), 6 Dan Lydiate, 5 Alun Wyn Jones, 4 Bradley Davies, 3 Samson Lee, 2 Scott Baldwin, 1 Rob Evans

Suplentes: 16 Ken Owens, 17 Paul James, 18 Tomas Francis, 19 Luke Charteris, 20 Justin Tipuric, 21 Rhys Webb, 22 Rhys Priestland, 23 Gareth Anscombe.

 

Histórico: 127 jogos, 58 vitórias da Inglaterra, 57 vitórias de Gales e 12 empates. Último jogo: Inglaterra 25 x 28 Gales, em 2015 (Copa do Mundo)

 

Domingo, dia 13 de março

escocia logoversus(14)França vermelho

12h00 – Escócia x França, em Edimburgo – Six NationsESPN+ e TV5 Monde AO VIVO

Árbitro: Glen Jackson (Nova Zelândia)

 

Escócia: 15 Stuart Hogg, 14 Tommy Seymour, 13 Duncan Taylor, 12 Alex Dunbar, 11 Tim Visser, 10 Finn Russell, 9 Greig Laidlaw (c), 8 Josh Strauss, 7 John Hardie, 6 John Barclay, 5 Jonny Gray, 4 Richie Gray, 3 Willem Nel, 2 Ross Ford, 1 Alasdair Dickinson.

Suplentes: 16 Stuart McInally, 17 Rory Sutherland, 18 Moray Low, 19 Tim Swinson, 20 Ryan Wilson, 21 Sam Hidalgo-Clyne, 22 Pete Horne, 23 Sean Lamont.

 

França: 15 Scott Spedding,14 Virimi Vakatawa, 13 Gaël Fickou, 12 Maxime Mermoz, 11 Wesley Fofana, 10 François Trinh-Duc, 9 Machenaud Machenaud, 8 Damien Chouly, 7 Yacouba Camara, 6 Wenceslas Lauret, 5 Alexandre Flanquart, 4 Yoann Maestri, 3 Rabah Slimani, 2 Guilhem Guirado (c), 1 Jefferson Poirot.

Suplentes: 16 Camille Chat, 17 Vincent Pelo, 18 Uini Atonio, 19 Sebastien Vahaamahina, 20 Loann Goujon, 21 Sébastien Bézy, 22 Jules Plisson, Maxime Médard.

 

Histórico: 89 jogos, 52 vitórias da França, 34 vitórias da Escócia e 3 empates. Último jogo: França 19 x 16 Escócia, em 2015 (amistoso)

 

Seleção Jogos Pontos
Inglaterra 5 10
Gales 5 7
Irlanda 5 5
Escócia 5 4
França 5 4
Itália 5 0

Vitória = 2 pontos;
Empate = 1 ponto;
Derrota = 0 pontos

 

Seleção Jogos Pontos 2014-16 Pontos 2016
Geórgia 10 45 24
Romênia 10 34 19
Rússia 10 27 14
Espanha 10 23 09
Alemanha 10 08 07
Portugal 10 06 01

 

Seleção Jogos 2014-16 Pontos 2015-16 Pontos 2014-16
Bélgica 10 19 41
Ucrânia 10 23 36
Moldávia 10 11 27
Holanda 10 11 22
Polônia 10 08 18
Suécia 10 01 01

Comentários