ARTIGO COM VÍDEOS – No embalo das emoções da Série Mundial de Sevens Feminina, Las Vegas foi palco de grandes duelos, inclusive podendo rever o retorno de Austrália e Nova Zelândia corrigindo falhas da etapa de Sydney que as eliminou precocemente e também a participação brasileira brilhante em um duelo sul-americano.

 

A terceira etapa acontecerá em abril, nos dias 22 e 23, em Kitakyushu, no Japão.

 

- Continua depois da publicidade -

Brasil sofre derrotas no primeiro dia de jogos

O Brasil, no grupo que pode ser considerado o mais complicado da edição, começou sua participação encontrando a Nova Zelândia em campo. Embora a derrota de 24 x 00 não tenha aberto um dia de satisfação no placar, mostrou a evolução das brasileiras na técnica de defesa e na persistência durante o jogo, terminando o primeiro tempo da partida com dois tries convertidos de diferença, com Portia Woodman cruzando o in-goal nos primeiros minutos pela ponta e T Nathan-Wong marcando o próximo. No segundo tempo, Blyde apoiou a bola no território por duas vezes. Edninha ainda tentou ao final da partida, mas o try não chegou.

 

Contra a Austrália, o desempenho das Yaras foi inferior com um placar elástico de 38 x 00 ainda que tenham executado, de novo, a boa defesa que apresentaram contra a Nova Zelândia.  O primeiro tempo terminou em 19 x 00 e os primeiros minutos de jogo deram uma esperança de try das brasileiras, já que seguravam bem o ataque australiano, que foi furado por Pelite. No início do segundo tempo, um cartão amarelo para Elia Green significou uma oportunidade para as brasileiras que não tão bem aproveitada resultaria em dois tries de Cherry e ainda mais um de Green, se redimindo com a seleção australiana.

 

Na partida contra a Inglaterra, a expectativa de tornar a vencê-las foi grande, o que não ocorreu, resultando num placar de 12 x 00 de Wood saindo pela ponta logo nos primeiros minutos de jogo com Richardson convertendo e, posteriormente, Brennan marcando o segundo try. Na volta do jogo, os próximos 7 minutos terminam sem tries e que já podem mostrar, mais uma vez, os bons frutos que a defesa já mencionada tem gerado.

 

Contra Espanha, Brasil cai e não decide a final do Challenge Trophy 

As brasileiras entraram em campo contra a Espanha pela semifinal do Challenge Trophy, o placar contra as Leonas da etapa de Sydney favorecia as Yaras em 10 x 07 e trazia a força que precisavam para bater novamente as rivais e buscarem uma segunda vitória contra a Inglaterra pela final do Challenge.

 

O primeiro tempo de jogo foi equilibrado, a Espanha abriu o placar com Barbara Pla e converteu, 07 x 00. Depois de um scrum ganho, Edninha conquistou território e acertou o passe para Haline, que avançou em boa parte do campo em velocidade atropelando a defesa espanhola, try do Brasil com Raquel convertendo, 07 x 07. No retorno, o Brasil ainda se manteve com posse de bola, no entanto, as espanholas aproveitaram melhor as oportunidades e fizeram mais dois tries com Pla de novo e Maria Ribera com Patricia García convertendo e concluindo o placar em 19 x 07.

 

Brasil garante a 11ª colocação em partida contra a Argentina

Contra  as hermanas, as Yaras já sabem bem a estratégia, afinal, todo ano as duas equipes se encontram e as brasileiras sempre saem com a melhor. Desta vez, não foi diferente, um placar de 41 x 00 deu a satisfação que as partidas contra Nova Zelândia, Austrália, Inglaterra e Espanha não haviam dado. Logo no início do primeiro tempo, Edninha abriu o placar, desde então, uma sequência de tries de Izzy, Baby e Luiza Campos no finalzinho do primeiro tempo, 22 x 00. Na volta, as argentinas tentaram segurar os avanços brasileiros, mas, sem sucesso, deixaram que Raquel furasse a linha de defesa; Edninha ainda marcou o segundo e Haline concluiu o placar final em 41 x 00, com Maíra convertendo.

 

Nova Zelândia volta a brilhar no lugar mais alto do pódio

Na partida entre Canadá e França, a primeira das quartas de final, o placar foi elástico e sem grandes dificuldades as canadenses puderam avançar para a semifinal em busca do ouro, ao encerrarem com 33 x 00. Como na etapa de Sydney, os Estados Unidos bateram a Irlanda, desta vez em 20 x 12. A Austrália passou por Fiji com 22 x 07 e a Nova Zelândia deixou a Rússia pela busca do quinto lugar.

 

A disputa do quinto ficou nas mãos de Fiji e Rússia, acabando num placar estreito de 19 x 17 para as fijianas com uma conversão a mais feita por Tinai.

 

A história das semifinais foi bem diferente da rodada anterior. Enquanto em Sydney, Nova Zelândia e Austrália chegaram à disputa pelo bronze, desta vez passaram por cima das norte-americanas e fizeram uma final clássica. No encontro das Aussies com as Canucks, o jogo finalizou com total de 7 tries, mostrando a persistência das duas equipes, mas com as australianas se impondo em 26 x 17, embora a canadense Brittany Been, que foi destaque e dream team de Sydney, tenha aberto o placar. Na semi contra os Estados Unidos, as Black Ferns se recuperaram da derrota da etapa passada e marcaram um apertado 12 x 07, com o primeiro try saindo das Águias com Thomas. Blyde e Williams marcaram os tries neozelandeses e, assim, seguiram para a final.

 

Na final, Austrália e Nova Zelândia voltaram à rivalidade em busca do primeiro lugar, como desde dezembro do ano passado, em Dubai, não o faziam. O primeiro try demorou a acontecer, chegando somente aos 4′ do primeiro tempo com Ruby Tui cruzando o in-goal australiano e, aos 7′, com T Nathan-Wong marcando o segundo. No retorno do jogo, as Black Ferns se impuseram e engrandeceram não dando brechas para as Aussies e marcando tries com Portia Woodman e Saili. As australianas até correram atrás do prejuízo com Murphy fazendo o try mas já era tarde e a vitória não seria alcançada, 28 x 05.

 

Brasil:

Beatriz Futuro “Baby” (Niterói), Bianca Silva (São José), Edna Santini (São José), Haline Scatrut (Curitiba), Isadora Cerullo “Izzy” (Niterói), Juliana Michele da Silva (Curitiba), Lariane Prunner (Desterro), Luiza Campos (Charrua), Maíra Bravo (SPAC), Mariana Nicolau (São José), Paula Ishibashi (SPAC), Raquel Kochhann (Charrua);

 

SWS 2015-16 logo

Las Vegas Sevens – 3ª etapa da Série Mundial de Sevens Feminina

Grupo A: Canadá, França, Rússia e Argentina

Grupo B: Estados Unidos, Fiji, Irlanda e Espanha

Grupo C: Nova Zelândia, Austrália, Inglaterra e Brasil

 

Sexta-feira, dia 3 de março (hora de Brasília):

13h17 – Estados Unidos 21 x 24 Irlanda

13h39 – Fiji 21 x 19 Espanha

14h01 – Canadá 34 x 07 Rússia

14h23 – França 45 x 07 Argentina

14h45 – Brasil 00 x 24 Nova Zelândia

15h07 – Austrália 31 x 14 Inglaterra

 

16h02 – Estados Unidos 22 x 07 Espanha

16h24 – Fiji 31 x 05 Irlanda

16h46 – Canadá 38 x 07 Argentina

17h08 – França 19 x 22 Rússia

17h30 – Nova Zelândia 27 x 05 Inglaterra

17h52 – Brasil 00 x 38 Austrália

 

18h47 – Estados Unidos 14 x 07 Fiji

19h09 – Irlanda 14 x 14 Espanha

19h31 – Canadá 21 x 07 França

19h53 – Rússia 36 x 00 Argentina

20h15 – Austrália 14 x 21 Nova Zelândia

20h37 – Brasil 00 x 12 Inglaterra

 

GOSTOU DO NOSSO TRABALHO? COMPARTILHE O LINK. EVITE O PRINT

 

Sábado, dia 4 de março (hora de Brasília):

13h00 – Argentina 07 x 45 Inglaterra – Semifinal pelo Challenge Trophy

13h22 – Espanha 19 x 07 Brasil – Semifinal pelo Challenge Trophy

13h44 – Canadá 33 x 00 França – Quartas de final

14h06 – Fiji 07 x 22 Austrália – Quartas de final

14h28 – Estados Unidos 20 x 12 Irlanda – Quartas de final

14h50 – Nova Zelândia 26 x 05 Rússia – Quartas de final

 

16h06 – Brasil 41 x 00 Argentina – Decisão do 11º lugar

16h28 – Inglaterra 00 x 10 Espanha – Final do Challenge Trophy

16h50 – França 12 x 15 Fiji – Semifinal pelo 5º lugar

17h12 – Irlanda 05 x 20 Rússia – Semifinal pelo 5º lugar

17h34 – Canadá 17  x 26 Austrália- Semifinal pelo Ouro

17h56 – Estados Unidos 07 x 12 Nova Zelândia – Semifinal pelo Ouro

 

21h52 – França 15 x 05 Irlanda – Decisão do 7º lugar

22h16 – Fiji 19 x 17 Rússia – Decisão do 5º lugar

22h40 – Estados Unidos 07 x 31 Canadá – Decisão do Bronze

23h08 – Austrália 05 x 28 Nova Zelândia – Final pelo Ouro
 

 

SeleçãoPontuação totalEtapa 1Etapa 2Etapa 3Etapa 4Etapa 5Etapa 6
Nova Zelândia116201620202020
Austrália100181418161618
Canadá98102016181816
Rússia661681012128
Fiji6612121214412
Estados Unidos622181481010
França60810861414
Inglaterra3714331061
Irlanda34466486
Espanha19324334
Brasil13142222
*tabela com somente as equipes fixas
- 4 melhores entre Austrália, Inglaterra, França, Rússia, Fiji, Brasil e Irlanda irão à Copa do Mundo de Sevens de 2018;
- Rebaixamento para o 11º colocado;

- Pontuação: 1º lugar, 20 pontos / 2º, 18 pts / 3º, 16 pts / 4º, 14 pts / 5º, 12 pts / 6º, 10 pts / 7º, 8 pts / 8º, 6 pts / 9º, 4 pts / 10º, 3 pts / 11º, 2 pts / 12º, 1 pt.

Foto retirada de: Instagram/@IzzyCerullo