Preparado para o grande clássico do rugby mundial? Nesse sábado, o North Harbour Stadium, no norte de Auckland, será o palco para o 94º confronto entre All Blacks e Springboks, Nova Zelândia e África do Sul, pela quarta rodada do Rugby Championship, em duelo dos dois invictos do torneio. E logo depois, em Canberra, capital da Austrália, os Wallabies australianos receberão os Pumas argentinos, em partida entre equipes que ainda não venceram na competição. Jogo pela liderança e jogo contra a lanterna agitando a manhã!

 

O maior de todos os clássicos

No ano passado, o grande clássico do Hemisfério Sul terminou com a maior derrota dos Springboks na história para os All Blacks. Foi um vexame em casa, 57 x 15, que afundaram os sul-africanos na maior crise técnica já vivida pela seleção verde e ouro. Mas os tempos mudaram e após um ano de trabalho de renovação a África do Sul voltou a viver bons momentos e agora vai em busca da grande afirmação de que “está de volta”. Depois de empatar com a Austrália, a África do Sul está longe de ser a favorita na partida. O favoritismo cabe aos neozelandeses, líderes com quatro vitórias, sendo que uma vitória dos All Blacks em Auckland significará que o título poderá ser mais uma vez da Nova Zelândia caso ela vença a Argentina na penúltima rodada. Portanto, os Boks jogam a vida na partida para manterem suas chances de título.

- Continua depois da publicidade -

Alister Coetzee, treinador dos Boks, fez apenas 3 trocas no XV titular. Na primeira linha, os verdes terão o pilar Ruan Dreyer, substituindo o lesionado Coenie Oosthuizen, enquanto Franco Mostert retornará à segunda linha para fazer uma poderosa dupla com o capitão Eben Etzebeth. Já a terceira linha terá a entrada do asa Jean-Luc Du Preez, na vaga do também lesionado Jaco Kriel. Isso signfica que os Boks não terão os dois maiores tacleadores do Rugby Championship no momento, Kriel e Oosthuizen. Du Preez fará um trio interessante com Kolisi e Cassiem, que terá o desafio de provar que se trata de uma formação promissora até a Copa do Mundo de 2019, tendo pela frente uma poderosa terceira linha neozelandesa de Kieran Read, Sam Cane e Liam Squire. Os Boks não fizeram nenhuma troca nos 3/4s, apesar de não terem correspondido à altura no jogo com os australianos. A dupla de 9 e 10 com Ross Cronje e Elton Jantjies está estável como a preferida do técnico.

Steve Hansen, por sua vez, promoveu um debutante a titular dos All Blacks, apostando no pilar Kane Hames para substituir o contundido Joe Moody. Brodie Retallick e Sam Whitelock estarão novamente juntos na segunda linha, que prometerá um embate galático contra Mostert e Etzebeth. Aliás, a África do Sul leva vantagem no momento nos laterais sobre a Nova Zelândia, enquanto os All Blacks têm o melhor scrum do Hemisfério Sul com incríveis 100% de aproveitamento ao longo das 3 primeiras rodadas. A sensação Vaea Fifita, no entanto, ficará de fora.

Na linha, a Nova Zelândia voltará a contar com a dupla insaciável de Aaron Smith e Beauden Barrett, agora com Ryan Crotty de volta ao combate no centro. Rieko Ioane, o All Blacks com mais metros ganhos no Championship, também voltará, e a linha neozelandesa parece mais forte que nunca, com os três jogadores que mais quebram linhas entre todos os times em campo: Barrett, Ioane e McKenzie. Os Boks que se cuidem.

A última vez que a África do Sul venceu a Nova Zelândia em terras kiwis foi em 2009, em Hamilton. Se os Boks quiseram vencer pela primeira vez o Rugby Championship desde sua remodelação precisarão quebrar um belo jejum.

 

versus copiar

04h35 – Nova Zelândia x África do Sul, em Auckland – Watch ESPN AO VIVO

Árbitro: Nigel Owens (Gales)

Nova Zelândia: 15 Damian McKenzie, 14 Nehe Milner-Skudder, 13 Ryan Crotty, 12 Sonny Bill Williams, 11 Rieko Ioane, 10 Beauden Barrett, 9 Aaron Smith, 8 Kieran Read (c), 7 Sam Cane, 6 Liam Squire, 5 Sam Whitelock, 4 Brodie Retallick, 3 Nepo Laulala, 2 Dane Coles, 1 Kane Hames;

Suplentes: 16 Codie Taylor, 17 Wyatt Crockett, 18 Ofa Tu’ungafasi, 19 Scott Barrett, 20 Ardie Savea, 21 TJ Perenara, 22 Lima Sopoaga, 23 Anton Lienert-Brown;

África do Sul: 15 Andries Coetzee, 14 Raymond Rhule, 13 Jesse Kriel, 12 Jan Serfontein, 11 Courtnall Skosan, 10 Elton Jantjies, 9 Ross Cronje, 8 Uzair Cassiem, 7 Jean-Luc du Preez, 6 Siya Kolisi, 5 Franco Mostert, 4 Eben Etzebeth (c), 3 Ruan Dreyer, 2 Malcolm Marx, 1 Tendai Mtawarira;

Suplentes: 16 Bongi Mbonambi, 17 Steven Kitshoff, 18 Trevor Nyakane, 19 Lood de Jager, 20 Pieter-Steph du Toit, 21 Francois Hougaard, 22 Handré Pollard, 23 Damian de Allende;

Histórico: 93 jogos, 53 vitórias da Nova Zelândia, 35 vitórias da África do Sul e 3 empates. Último jogo: África do Sul 15 x 57 Nova Zelândia, em 2016 (The Rugby Championship);

 

Contra a crise

Austrália e Argentina se enfrentarão em Canberra para lutarem contra a última colocação e um aprofundamento em suas crises. Tanto Wallabies, com um ótimo empate contra os Boks, e os Pumas, que chegaram a entrar no segundo tempo contra os All Blacks no último jogo liderando o placar, mostraram melhoras recentes no desempenho, mas ainda não venceram na competição atual. Para os argentinos, em jogo estará um tabu incômodo, pois os Pumas não venceram os Wallabies na Austrália desde 1983, quando tinham Hugo Porta em campo.

Daniel Hourcade fez mudanças importantes na linha argentina, com as voltas de Joaquin Tuculet e Santiago Cordero, que jogarão ao lado do ascendente Emiliano Boffelli e de Ramiro Moyano nas pontas. O scrum-half será Martin Landajo desta vez, para fazer dupla com Nicolás Sánchez. No pack, a única mudança será a entrada de Tomás Lezana. Já Michael Cheika não promoveu nenhuma troca no XV dos Wallabies, apostando no crescimento do time após o empate com os Boks.

A forma ofensiva dos australianos até aqui é sensivelmente superior à dos Pumas, com 11 tries aussies contra 5 argentinos, 29 quebras de linha contra 17, 1584 metros ganhos contra 1140. Mas os argentinos levam vantagem em todas as formações. Quem emergir vitorioso ganhará paz por duas semanas.

 

versus copiar

07h00 – Austrália x Argentina, em Canberra – ESPN+ AO VIVO

Árbitro: John Lacey (Irlanda)

Austrália: 15 Israel Folau, 14 Henry Speight, 13 Tevita Kuridrani, 12 Kurtley Beale, 11 Reece Hodge, 10 Bernard Foley (vc), 9 Will Genia (vc), 8 Sean McMahon, 7 Michael Hooper (c), 6 Ned Hanigan, 5 Adam Coleman, 4 Rob Simmons, 3 Sekope Kepu, 2 Tatafu Polota-Nau, 1 Scott Sio;

Suplentes: 16 Jordan Uelese, 17 Tom Robertson, 18 Allan Alaalatoa, 19 Izack Rodda, 20 Jack Dempsey, 21 Nick Phipps, 22 Samu Kerevi, 23 Marika Koroibete;

Argentina: 15 Emiliano Boffelli, 14 Matias Moroni, 13 Matias Orlando, 12 Jeronimo de la Fuente, 11 Ramiro Moyano, 10 Nicolas Sanchez, 9 Martin Landajo, 8 Tomas Lezana, 7 Javier Ortega Desio, 6 Pablo Matera, 5 Matias Alemanno, 4 Guido Petti, 3 Nahuel tatez Chaparro, 2 Agustin Creevy, 1 Lucas Noguera;

Suplentes: 16 Julian Montoya, 17 Santiago Garcia Botta, 18 Enrique Pieretto, 19 Marcos Kremer, 20 Juan Martin Leguizamon, 21 Tomas Cubelli, 22 Santiago Gonzalez Iglesias, 23 Manuel Montero;

Histórico: 27 jogos, 21 vitórias da Austrália, 1 empate e 5 vitórias da Argentina. Último jogo: Argentina 21 x 33 Austrália, em 2016 (The Rugby Championship);

 

PaísApelidoJogosPontos
Nova ZelândiaAll Blacks628
AustráliaWallabies615
África do SulSpringboks614
ArgentinaLos Pumas60