Depois de ser excluído do Super Rugby, o Western Force, time da cidade australiana de Perth, entrou na justiça contra a União Australiana de Rugby (ARU). O processo movido pelo Force foi derrubado na Suprema Corte do estado de Nova Gales do Sul, onde foi movido, mas o caso ganhou uma nova página com uma senadora do estado da Austrália Ocidental (casa do Force) levando o caso para o Parlamento, onde o processo de escolha da equipe excluída pela ARU será analisado.

O caso do Force ainda ganhou novos desdobramentos. Na Austrália Ocidental, ele foi o estímulo para a remobilização de uma movimento separatista da região, que, pelo isolamento geográfico, tem uma identidade local muito forte e grande rivalidade com o restante do país.

No campo esportivo, o milionário Andrew Forrest, maior investidor e parceiro do Force, busca agora avançar com o projeto de criação da Liga Indo-Pacífica (“Indo” porque Perth é banhada pelo Oceano Índico), uma nova competição paralela ao Super Rugby que conte com equipe da Oceania e da Ásia. O plano é de que a nova liga, a ser lançada no ano que vem, tenha 6 franquias, com especulações apontando para uma aproximação de Forrest com a gigante chinesa Alibaba, companhia que planeja investir 100 milhões de dólares no desenvolvimento do rugby chinês nos próximos 10 anos. O Force ainda poderá contar como aliado com Fiji, que acaba de lançar uma equipe no Campeonato Australiano, o NRC, e com o Asia-Pacific Dragons, de Singapura, equipe formada para pleitear um lugar no Super Rugby. Uma equipe no oeste de Sydney ou na cidade de Adelaide, quinta maior do país e que não é representada no Super Rugby e no NRC, já foram levantados pela imprensa local igualmente.

Resta saber como a ARU reagiria à fundação da liga e se ela e o World Rugby confeririam legitimidade à competição.