Saracens bate Exeter e conquista sua terceira Premiership

ARTIGO COM VÍDEO – O palco é sempre o templo inglês do rugby, o lindo estádio de Twickenham. As torcidas se deslocam até Londres para o jogo final que marca o fim da temporada do rugby inglês. A preparação das equipes até a final culmina neste jogo que impressiona pelo fanatismo de suas torcidas que lotam o estádio.

 

As equipes chegaram para a final detentoras das duas melhores campanhas na fase de grupos: Saracens como primeiro e o Exeter em segundo. Ambas trazem também vitórias expressivas nas semifinais, Saracens contra o Leicester Tigers e o Exeter contra o Wasps. O Saracens traz também para a final a recém conquista da Champions Cup, o europeu de clubes desta temporada.

 

Exeter chega a uma final inédita, já o Saracens chega à sua quinta final em sete temporadas, podendo ganhar seu terceiro título em cinco anos, sendo o segundo em seguida, já que ganhou o título da temporada passada.

 

O jogo começou em um ritmo frenético, com as equipes pressionando, mas as defesas bem postas. Logo aos 2 minutos, em uma atuação de impedimento em ruck, foi marcado penal para o Saracens que Owen Farrell converteu com facilidade. Sarries 3 x 0.

 

E o jogo seguiu equilibrado e truncado com as defesas fazendo melhor seu trabalho do que os ataques. O Saracens fazendo seu jogo veloz com passes rápidos e com chutes up and under e o Chiefs travando mais seu jogo no pack e no pick and go.

 

Aos 9 minutos, novamente por impedimento no ruck, mais um penal para o Sarries que Farrell converteu sem dificuldades. fazendo 6 x 0 no placar para o time londrino. O jogo continuaria equilibrado desta maneira até os 30 minutos da primeira etapa. Apenas penais iriam ocorrer e mudar o placar. Um aos 22 minutos que Gereth Steenson converteu para o Exeter e outro aos 26 minutos convertido por Farrell para o Saracens.

 

Schalk Britts faz um bom retorno aos 32 minutos após um chute dos Chiefs e fez uma bela corrida em direção ao ingoal. A defesa do Exeter o parou, mas estava armada a jogada do primeiro try do Saracens: Farrell chuta em direção à ponta e Duncan Taylor a recolhe para fazer o try. Farrell chutou aos postes para a conversão e não desperdiçou. Saracens amplia para 16 x 3.

 

O Exeter usava e abusava dos chutes para aliviar a pressão que o Saracens fazia para definir a partida logo na primeira etapa. E 5 minutos após o primeiro try, Chris Wyles fez ótima corrida após pegar um chute do Exeter e anotou um belíssimo try que Farrell não desperdiçou. O placar a esta altura já estava 23 x 3 para o Saracens. Placar que não mudaria até os acréscimos da primeira etapa com o penal convertido por Steenson, dando os números finais à primeira etapa: 23 x 6 para a equipe londrina.

 

A segunda etapa começou assim como foi a maior parte do primeiro tempo, equilíbrio e as defesas superando os ataques. Tanto que poucos momentos que poderiam gerar pontos ocorreram até quase 15 minutos. Os Chiefs pressionavam e após uma cobrança de lateral, um volante formado invadiu o ingoal do Saracens e Alec Hepburn anotou o primeiro try dos Chiefs. Steenson chutou e converteu. Agora o placar era 23 x 13.

 

Após seu try, o Exeter cresceu e passou a pressionar mais para buscar o Saracens no placar. Pressionava, mas errava muito em fundamentos como passe e posse de bola, não conseguindo transpor a sólida defesa do Saracens.

 

Aos 27 minutos, um momento especial para o Saracens. Charlie Hodgson e Neil de Kock entraram para fazer o último jogo de suas brilhantes carreiras.

 

Cinco minutos depois, Henry Slade faz uma ótima jogada e deixa Jack Nowell na cara do ingoal para anotar mais um try para os Chiefs. Try que Steenson converteu e definitivamente o Exeter voltava à partida e estava num momento melhor. O placar a esta altura estava em 23 x 20 para o Saracens.

 

Mas aos 35 minutos, o golpe definitivo nas pretensões do Exeter. O Saracens mostrou sua capacidade de reação e armou uma bela jogada em que Alex Goode anotou o try que sacramentaria a vitória da equipe londrina. Hodgson foi para a conversão, mas errou o último chute de sua carreira de 2285 pontos na Premiership. Placar 28 x 20 para o Saracens.

 

Placar não se alteraria até o fim da partida, mesmo com uma bela jogada em que em um chute, Hodgson colocou a bola no ingoal e Chris Ashton a encontrou, mas antes de apoiar a bola no ingoal, ela fugiu de suas mãos, como comprovado pelo TMO.

 

O placar de 28 x 20 para o Saracens mostrou o que foi a temporada para as duas equipes: luta, determinação, defesa organizada. Venceu a equipe que ousou mais no jogo e na temporada, isso baseado no comando de Mark McCall que aposta em um jogo mais veloz e ousado.

 

Saracens sagrou-se campeão inglês pela terceira vez. Ao Exeter, serve o consolo de ter disputado sua melhor temporada na Premiership e seguir adiante na Champions Cup da próxima temporada.

 

Campeões da Premiership:

 

1 – Leicester Tigers, 10 títulos
2 – Bath – 6 títulos
Wasps – 6 títulos
4 – Saracens – 3 títulos
5 – Harlequins – 1 título
Newcastle Falcons – 1 título
Northampton Saints – 1 título
Sale Sharks – 1 título

 

AvivaPremiershipLogo

 

Aviva Premierhsip – Campeonato Inglês

 

FINAL

 

Saracens logo   28  versus copiar 20    exeter

 

Saracens  28  x  20  Exeter Chiefs

 

Local: Twickenham – Londres
Árbitro: Wayne Barnes
Árbitros assistentes: JP Doyle, Luke Pearce
TMO: Sean Davey

 

Saracens

 

Tries: Taylor, Wyles e Goode.

Conversões: Farrell (2)

Penais: Farrell (3)

 

15 Alex Goode, 14 Chris Ashton, 13 Duncan Taylor, 12 Brad Barritt (c), 11 Chris Wyles, 10 Owen Farrell, 9 Richard Wigglesworth, 8 Billy Vunipola, 7 Will Fraser, 6 Michael Rhodes, 5 George Kruis, 4 Maro Itoje, 3 Petrus Du Plessis, 2 Schalk Brits, 1 Mako Vunipola

 

Suplentes: 16 Jamie George, 17 Richard Barrington, 18 Juan Figallo, 19 Jim Hamilton, 20 Jackson Wray, 21 Neil De Kock, 22 Charlie Hodgson, 23 Marcelo Bosch

 

 

Exeter Chiefs

 

Tries: Hepburn e Nowell.

Conversões: Steenson (2)

Penais: Steenson (2)

 

15 Phil Dollman, 14 Jack Nowell, 13 Henry Slade, 12 Ian Whitten, 11 Olly Woodburn, 10 Gareth Steenson (c), 9 Will Chudley, 8 Don Armand, 7 Julian Salvi, 6 Dave Ewers, 5 Geoff Parling, 4 Mitch Lees, 3 Harry Williams, 2 Luke Cowan-Dickie, 1 Ben Moon

 

Suplentes: 16 Jack Yeandle, 17 Alec Hepburn, 18 Tomas Francis, 19 Damian Welch, 20 Kai Horstmann, 21 Dave Lewis, 22 Michele Campagnaro, 23 James Short

 

Comentários