crusaders sharks copy

 

Páscoa dolorosa para o torcedor do Sharks, mas achocolatada para os fãs de Crusaders, Hurricanes e Chiefs. A oitava rodada do Super Rugby premiou os neozelandeses, que contam com quatro dos seis melhores times do momento, e cobrou seu preço da inefetividade dos sul-africanos, cuja melhor equipe ocupa a humilde quinta posição. Os destaques da rodada foram o genuíno chocolate de Páscoa dado pelos Crusaders no Sharks (impressionantes 52 x 10 na casa dos sul-africanos), a manutenção da invencibilidade do líder Hurricanes (com vitória importante sobre o Stormers, 25 x 20) e os triunfos de Chiefs, Lions e Rebels em seus dérbis nacionais (sobre Blues, Bulls e Reds, respectivamente). O Brumbies também venceu, 20 x 3 sobre o Cheetahs. e é o único australiano no Top 6. Waratahs, Highlanders e Force folgaram no feriadão e puderam encher a barriga de muitos ovos sem culpa.

 

- Continua depois da publicidade -

 

Nova Zelândia domina o Super Rugby

A Nova Zelândia é senhora absoluta da primeira metade do Super Rugby 2015. O Hurricanes segue como o único invicto da liga acumulando mais uma vitória, desta vez sobre o poderoso Stormers que, após largar bem, vem caindo pelas tabelas. Foi um jogão na sexta-feira em Wellington, com os neozelandeses emplacando um fim de primeiro tempo sensacional, com três tries em 15 minutos. Após Barrett e Catrakilis trocarem penais, os Hurricanes já mostravam levar mais perigo, sobetudo com a investidas do  fullback Nehe Milner-Skudder, o único atleta não-All Black da linha titular dos ‘Canes. Ele mesmo quebrou a defesa sul-africana para fazer o primeiro try, aos 25′, e abrir a porteira. Savea, aos 35′, e Barrett, aos 39′, adicionaram mais dois tries em sequência, que pareciam nocautear os Stormers. Porém, o time do Cabo não se entregou com a desvantagem de 25 x 3 e dominou por completo o segundo tempo, mostrando a força de seu scrum Springbok. Um penal try, aos 48′, na potência, e um try do centro Huw Jones, aos 65′, deixaram os Stormers a apenas 8 pontos da vitória, com 15 minutos de jogo pela frente. Coleman adicionou mais um penal, aos 75′, e o jogo pegou fogo. Mas, os amarelos se seguraram e evitaram o pior, mantendo a liderança do campeonato. 25 x 20, ruim para os Stormers, agora na nona posição.

 

Já os Chiefs mantiveram a vice-liderança do Super Rugby com uma vitória sobre seu rival Blues, em clássico neozelandês. Lanterna e única agremiação ainda sem vitórias em 2015, o Blues endureceu a partida, mas novamente não foi capaz de vencer. Lowe, aos 27′, fez o único try do primeiro tempo para os Chiefs, mas o time de Auckland reagiu no começo do segundo tempo e Kaino cravou o try do empate, aos 46’. Aos 53′, Bowden arrematou mais um penal para os Aucklanders, que passou a frente no marcador, 13 x 10. Porém, aos 67′, o fullback Tom Marshall pôs fim às esperanças dos Blues, cravando o try da vitória do time de Waikato. O alento para os Blues foi o ponto-bônus defensivo conquistado com um penal de West já com o tempo esgotado. 23 x 16.

 

Em Durban, a fanática torcida do Sharks assistiu a um desempenho medonho de seu time, que caiu para a sétima posição ao ser massacrado pelo agora sexto colocado Crusaders em casa por nada menos que 52 x 10. Uma derrota há muito não sofrida pelo Sharks, que chegou a jogar em vantagem numérica de 15 contra 12, após três cartões amarelos recebidos pelos ‘Saders.

 

Os neozelandeses começaram a partida insaciáveis. Foram nada menos que dois tries em menos de cinco minutos de jogos para os rubronegros, que cruzaram o in-goal com Andy Ellis e Israel Dagg. Lambie reduziu com penal para os Sharks, mas a máquina dos ‘Saders seguiu respirando os ares de seus bons e velhos momentos. Foram mais dois tries antes do intervalo, com Fonotia, aos 21′, e Crotty, aos 34′, em maul devastador, enquanto Lambie jogava para fora um dos mais fáceis penais da história. Desestruturados e desfocados, os sul-africanos chegaram ao fundo do poço no fim do primeiro tempo. Uma sucessão atípica de descontroles levou o Crusaders a perder três atletas por cartões amarelos entre os 36′ e os 39’. Ao invés de aproveitar os três homens a mais, os Sharks, além de não pontuarem, tiveram Deysel expulso com cartão vermelho direto aos 40′, em destempero inaceitável. E, mesmo com dois homens a mais, os Sharks conseguiram a proeza de levaram um try no reinício do segundo tempo, com Slade. Aos 46′ e aos 51′, o Crusaders chegou a mais dois tries, com os sul-africanos já completamente fora de jogo. Havili e Todd guardaram. Aos 54′, Ndungane fez o try de honra dos Sharks, mas os 45 x 10 eram demais para uma reação. Aos 79′, Taylor completou o massacre com o oitavo try, dando números finais aos desastre de King’s Park, 54 x 10.

 

 

Lions e Rebels vencem dérbis, Brumbies segue em alta

Na África do Sul, sábado foi dia de clássico do velho Transvaal entre Lions, de Joanesburgo, e Bulls, de Pretória. Apesar da boa fase dos Bulls, foram os Lions que rugiram mais alto e conquistaram uma crucial vitória para suas ambições neste ano. Foi uma partida muito dura e pegada nos forwards, com o marcador mexendo apenas com penais. Os Bulls foram ao intervalo na frente, 9 x 5, com Jacques-Louis Potgieter levando vantagem sobre Elton Jantjes. Contudo, os Lions apertaram a pressão na segunda etapa, Jantjes virou o placar com mais dois penais, Potgieter deu o troco com outros dois penais, recolocando os Bulls em vantagem, e, aos 73′, Jantjes deixou tudo igual na mesma moeda. O drama se seguiu e, aos 78′, Potgieter não falhou, chutando aquele que parecia ser o penal da vitória para os Lions. Mas, já nos acréscimos, o scrum-half reserva Faf de Klerk achou o espaço e serviu Armand van der Merwe, que mergulhou para fazer explodir o Ellis Park. Vitória dos Lions, 22 x 18.

 

Na Austrália, outro dérbi foi realizado, com o Rebels recebendo o combalido Reds. E a fase do Reds é mesmo triste. Em 12 minutos, o time de Queensland fez dois tries, com Horwill e Schatz, e parecia rumo a uma importante vitória fora de casa. Mas, aos 20′, o experiente capitão Horwill levou cartão vermelho e a vaca foi pro brejo. Com um homem a mais, os Rebels empataram com tries de Timani e English, 15 x 15, e viraram na segunda etapa, com try de Stirzaker e penal de Harris. 23 x 15.

 

Por fim, o Brumbies segue como o melhor australiano no certame. O time de Canberra não teve problemas para vencer em casa o Cheetahs, completando o fim de semana ruim para a África do Sul. 20 x 3 foi o placar, com tries de Leali’ifano e Enever.

 

super rugby

Super Rugby – Liga da África do Sul, Austrália e Nova Zelândia

Hurricanes 25 x 20 Stormers, em Wellington

Rebels 23 x 15 Reds, em Melbourne

Chiefs 23 x 16 Blues, em Hamilton

Brumbies 20 x 3 Cheetahs, em Canberra

Sharks 10 x 52 Crusaders, em Durban

Lions 22 x 18 Bulls, em Joanesburgo