ARTIGO COM VÍDEO – O Pacaembu é uma aldeia tupi inexpugnável! Jogando mais uma vez na sua nova casa de São Paulo, diante de 2286 torcedores, o Brasil conquistou uma épica vitória sobre Portugal por 25 x 21, que dará aos Tupis duas posições a mais no Ranking Mundial. Foi um jogo de momentos distintos, que chegou a ter os Lobos vencendo por 21 x 06, mas nos 10 minutos finais o Brasil produziu uma virada histórica garantindo 3 tries para uma vitória inédita no clássico atlântico contra os irmãos lusos.

O Brasil teve a primeira chance, apostando no jogo de mãos, mas sem conseguir achar os espaços na linha portuguesa. Moisés inaugurou o marcador com penal certeiro no começo, mas Portugal, em sua primeira boa jogada de mãos, quebrou a defesa brasileira com Tomás Appleton. Sem a conversão, o placar ficou em 5 x 3.

Novamente buscando fase a fase no campo ofensivo, o Brasil arrancou penal que Moisés bateu para colocar 6 x 5 a favor dos Tupis. Os Lobos logo deram o troco com Nuno Penha e Costa devolvendo a frente em penal, 8 x 6.

O Brasil propunha mais o jogo no primeiro tempo, com Stefano conseguindo boa infiltração, seguida de trabalho de passes até a ponta, mas a defesa lusa levou os Tupis ao knock-on. Portugal voltou a ter chance com penal, mas Nuno errou o arremate.

- Continua depois da publicidade -

Antes do intervalo, o Brasil teve duas chances de virada. Primeiro com Felipe Sancery rompendo a defesa e caindo no in-goal, mas com o try sendo invalidado pelo TMO. Depois, Laurent quebrou a defesa lusa e Josh tentou o drop goal, mas sem sucesso.

O segundo tempo começou com Portugal ampliando sua vantagem para 11 x 06 com penal preciso. E a pressão inicial dos Lobos rendeu frutos rápido, com o fullback Manuel Cardoso Pinto costurando a defesa brasileira pela ponta para um lindo try dos “patrícios”, colocando 18 x 06 no marcador.

Os Tupis sentiram o golpe e quase cederam novo try, com Gonçalo Foro interceptando passe, mas com a jogada sendo invalidada pelo Brasil estar em vantagem. A situação parecia virar a favor dos Tupis com Villax recebendo amarelo e deixando os Lobos com 14, mas o Brasil não conseguiu aproveitar. Felipe Sancery rompeu em velocidade a defesa vermelha, porém Portugal conquistou um turnover vital.

Nuno Penha e Costa ampliou com penal para os Lobos ainda com 14 homens e o Brasil teve dificuldades em fazer seu jogo encaixar. Portugal efetuou uma série de alterações no time, com o jogo aparentemente ganho, e pagou o preço.

Nos 10 minutos finais, os Tupis produziram uma blitz implacável. Laurent arrancou, tirando o Brasil do campo defensivo e a bola encontrou Robert na ponta para grande arrancada, fazendo seu primeiro try com a camisa dos Tupis. 21 x 11, Tupis vivos!

A torcida cresceu e o time foi junto. O Brasil emplacou uma série de fases nas 22 lusas e Felipe Sancery rompeu para um try vital, colocando a diferença em somente 21 x 18. Portugal foi a nocaute e no lance final, com o tempo esgotado, Daniel Sancery arrancou de trás para o try da vitória. 25 x 21, uma virada como há muito não se via a favor do Brasil.

Agora, os Tupis se preparam para viajar à Romênia, onde enfrentarão o forte time da casa no dia 24 deste mês.

 

25versus copiar 21

Brasil 25 x 21 Portugal, em São Paulo (Pacaembu)

Arbitragem: Damián Schneider (Argentina) – Assistentes: Henrique Platais e Ricardo Sant’Anna (Brasil)

Brasil

Tries: Robert Tenório, Felipe Sancery e Daniel Sancery

Conversões: Moisés Duque (2)

Penais: Moisés Duque (2)

15 Daniel Sancery, 14 Stefano Giantorno, 13 Felipe Sancery, 12 Moisés Duque, 11 Lucas Tranquez “Zé”, 10 Josh Reeves, 9 Lucas Duque “Tanque”, 8 Nick Smith, 7 Arthur Bergo, 6 André Arruda “Buda”, 5 Gabriel Paganini, 4 Cléber Dias “Gelado”, 3 Matheus Rocha “Blade”, 2 Yan Rosetti (c), 1 Jonatas Paulo “Chabal”;
Suplentes: 16 Endy Willian, 17 Caique Segura, 18 Pedro Bengaló, 19 Matheus Daniel “Matias”, 20 João Luiz da Ros “Ige”, 21 Laurent Bourda-Couhet, 22 Jacobus De Wet, 23 Robert Tenorio;

Portugal

Tries: Tomás Appleton e Manuel Cardoso Pinto

Conversões: Nuno Penha e Costa (1)

Penais: Nuno Penha e Costa (3)

15 Manuel Cardoso Pinto, 14 Gonçalo Foro (c), 13 Tomás Appleton, 12 José Cabral, 11 Adérito Esteves, 10 Nuno Penha e Costa, 9 Francisco Pinto Magalhães, 8 João Lino, 7 Sebastião Villax, 6 Geordie Mcsullea, 5 Gonçalo Uva, 4 José Andrade, 3 Francisco Bruno, 2 Duarte Diniz, 1 Bruno Medeiros;
Suplentes: 16 João Corte-Real, 17 Nuno Mascarenhas, 18 José Conde, 19 João Granate, 20 Francisco Appleton, 21 Jorge Abecassis, 22 Manuel Queirós, 23 Caetano Castelo Branco;

Foto: Heitor Mendes

 

7 COMENTÁRIOS

    • Puta que pariu! Fizeram o impossível do impossível. Fizeram três tries em cinco minutos. Nem Jesus Cristo. Espero que esse desfecho tenha sido divulgado nos meios de informações internacionais. Amanhã vou comere bacalhau regado ao azeite da Quinta…..kkk
      Manoele, Joaquim….Vocês se foderam! kkkkkkkkk

  1. Puta que pariu! Fizeram o impossível do impossível. Fizeram três tries em cinco minutos. Nem Jesus Cristo. Espero que esse desfecho tenha sido divulgado nos meios de informações internacionais. Amanhã vou comere bacalhau regado ao azeite da Quinta…..kkk
    Manoele, Joaquim….Vocês se foderam! kkkkkkkkk